Pular para o conteúdo principal

Sobre

Atribuições do NPLAW
Criado em 2011 o Núcleo de Pesquisas visa facilitar e estimular a prática da pesquisa científica junto ao Curso de Direito da UFSM. Também é o setor responsável pelo controle e registro das atividades relacionadas a monografia jurídica.

Principais atividades desenvolvidas

1)    Divulgação de eventos e revistas científicas:
Visando estimular a participação docente e discente em eventos científicos, o NPLAW divulga eventos e revistas com possibilidades de publicação de artigos. Os interessados em participar dessas atividades recebem orientações e auxílio através de oficinas.

2)    Realização de Oficinas
Periodicamente, o Núcleo oferece oficinas sobre elaboração de artigos científicos, projetos de pesquisa, projetos de monografia, defesa da monografia perante a banca examinadora, dentre outras temáticas.

3)    Coordenação das Monografias:
O NPLAW é responsável pela organização da prática da monografia junto ao Curso de Direito, desde a fase de elaboração de projeto até a realização da banca para a defesa. Todos os projetos e as monografias defendidas no curso ficam arquivados para consulta, devidamente separadas por área temática. Atualmente, o NPLAW está trabalhando para fornecer o acesso às monografias através do repositório digital Manancial da UFSM.

4)     Projetos de Pesquisa do Curso:
A partir da realização de oficinas, o NPLAW busca facilitar a construção de novos projetos de pesquisa por professores e acadêmicos do Curso de Direito.
A lista completa com todos os projetos de pesquisa e extensão desenvolvidos no Curso de Direito são disponibilizados aos interessados para que possam conhecer as suas temáticas.

Luis Alberto Warat e a sua relação com o  Curso de Direito da UFSM

No início da década de setenta, começou, nas universidades francesas, um movimento ligado às questões ideológicas e epistêmicas da ciência do Direito, quando um grupo de professores marxistas, ameaçados de perderem os cargos acadêmicos por causa de suas convicções, decidiram criar uma associação para discutir e defender suas propostas. 
O movimento espalhou-se pela Europa, chegou a América Latina, sendo criada a Associação Latino-Americana de Metodologia de Ensino do Direito (ALMED) e se instalou no Brasil pela presença do prof. Luis Alberto Warat, Doutor em Direito e Ciências Sociais pela Universidade de Buenos Aires, que passou a integrar o corpo docente do Curso de Direito da UFSM, como professor visitante em julho de 1977, divulgando suas idéias, consideradas revolucionárias e enfrentando bastante resistência do grupo mais conservador da academia. 
Vale destacar, por esclarecedora do contexto social e político-ideológico em que se encontravam os cursos jurídicos, um trecho do texto intitulado Confissões pedagógicas diante da crise do Ensino jurídico, WARAT(1992): "os começos foram muito difíceis por motivos internos e externos. No interior das práticas jurídicas respirava-se um clima nada propício para a aceitação do novo. Como declarei, numa entrevista concedida à época para um jornal medieval, arrogante e elitista: professores sem nenhum preparo pedagógico e com profundo desconhecimento de qualquer tipo de informação que tivesse a ver com a Teoria Geral do Direito, a Epistemologia ou a Filosofia. Professores que tinham a mais absoluta ignorância sobre o funcionamento pragmático da linguagem jurídica".
Com Warat inicia-se, em Santa Maria, um período de discussão e reflexão sobre Direito e seu ensino. Dentro do curso, esta nova postura não alcança a todos os professores, e ocorre uma verdadeira cisão no corpo docente. De um lado, o grupo apoiando e adotando as idéias de Warat; de outro, em maioria, os demais professores, recusando-se a integrar o incipiente movimento que buscava mudanças nas concepções e nas práticas pedagógicas dentro do Curso de Direito da UFSM. 
Na sua primeira obra publicada em língua portuguesa, em 1977, intitulada “Ensino e saber jurídico”, o prólogo é redigido pelo prof. José Augusto Brilhante Ustra, único docente do Curso de Direito da UFSM, então, além de Warat, a possuir titulação acadêmica, o que talvez tenha servido para torná-lo mais receptivo às idéias do argentino. 
No seu depoimento, Ustra manifestou-se de forma veemente na defesa dos postulados de uma nova metodologia do ensino de Direito, dizendo que mesmo as propostas tidas como inovadoras partem de um equívoco fundamental, enfatizando que “não passam de meros equívocos pedagógicos, estando todas vinculadas a um sistema de ensino dogmático”.(USTRA apud WARAT, 1977)
            Para Warat, as faculdades de Direito não passavam de locais onde se processava uma transmissão ultrapassada do saber, saber esse transmitido, via de regra, por profissionais bem sucedidos de outros campos jurídicos, mas sem condições de preparar o aluno para reagir frente aos estímulos do meio sócio-econômico”. (WARAT, 1977). 
Já nessa época, Warat defendia o ensino interdisciplinar, preocupado em primeiro lugar com a formação do aluno, e depois com o cumprimento rigoroso, mas acriticamente reproduzido, dos conteúdos programáticos. 
Dizia o autor (1977): "as duas preocupações básicas de uma epistemologia de natureza pedagógica deveriam ser análise crítica do método de constituição do conhecimento jurídico e a crítica do método de ensino desse conhecimento". 
      Em outubro de 1977, aconteceu em Santa Maria, promovida pela ALMED e pelo Curso de Direito da UFSM, a III Jornada Latinoamericana de Metodologia do Ensino do Direito, que abordava teses relacionadas com o ensino jurídico na América Latina, onde se enfatizou o perfil diferenciador da Metodologia do Ensino do Direito, preocupado não só com a técnica de ensino, mas igualmente com a produção de um objeto de conhecimento jurídico distinto do predominante.
Estava lançada a semente de um movimento progressistas dentro do curso, mas que não frutificou, sufocado pela alienação da maioria dos alunos, que não reivindicavam mudanças, e pela oposição dos professores,  que naquele contexto histórico, preferiram não adotar, em suas práticas, as inovadoras idéias de Warat.
O prof. Warat deixou a UFSM no final do ano letivo de 1980, tendo sua exoneração se efetivado em 31 de janeiro de 1981. Integrou também o corpo docente da Universidade Federal de Santa Catarina. 
Caracterizou-se pelo dinamismo de seu pensamento, com inúmeras obras publicadas, e foi um autor em constante processo de Evolução.


Fonte: Dissertação de Mestrado de Mª Sayonara S. da C. Kurtz - UFSM/ Programa de Pós-Graduação em Educação - "Os (des)caminhos do Direito: Análise da proposta Curricular do Curso de Direito da UFSM"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Revista dos Tribunais Online e Biblioteca Proview disponíveis para alunos da UFSM

A Coordenação do Curso de Direito da UFSM disponibilizou acesso à Revista dos Tribunais Online e à Biblioteca Digital Proview para os alunos e professores da UFSM.             A Revista dos Tribunais é especializada em assuntos jurídicos, contemplando, por exemplo, 31 revistas (40 anos de publicação), 18 coleções de doutrinas essenciais, 8 coleções de pareceres e soluções práticas de Direito, 9 Códigos comentados (incluindo o Novo CPC), além de Legislação Federal, Súmulas, Notícias, etc. Já a Biblioteca Digital Proview possui um acervo inicial com mais de 700 títulos da Editora Revista dos Tribunais, acesso integral a todas as obras da RT, além de ser atualizada mensalmente, com lançamento de novos títulos e edições.
            Para acessar à base de dados, deve ser utilizado somente computadores ligados à rede da UFSM, sendo que não é necessário login.

O acesso pode ocorrer diretamente pelo endereço da Revista dos Tribunais (clique aqui) e da Biblioteca (clique aqui), ou é possível en…

Seleção de alunos voluntários para participação do Projeto Diotima da OAB/SM e da Delegacia de Mulher/SM

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Subseção Santa Maria e a Delegacia da Mulher de Santa Maria (Deam) estão selecionando profissionais e alunos da graduação e da pós-graduação em Direito para participar voluntariamente do projeto de pesquisa e extensão “Diotima: informação e celeridade aos direitos e deveres das mulheres vítimas de violência doméstica ”. O projeto disponibilizará espaços em que advogados e estudantes voluntários da área do Direto prestarão assessoramento jurídico às mulheres. Para tanto, os advogados e estudantes selecionados passarão por cursos a fim de obter domínio teórico e prático do assunto – estudo da legislação, doutrina e jurisprudência. Os interessados devem ter disponibilidade de 5h semanais e entregar a ficha de inscrição e seu respectivo currículo em um envelope lacrado contendo nome completo e o número do edital na sede da OAB/SM até o dia 14 de abril de 2017.
Para ter acesso ao edital e à ficha de inscrição, cliqu…

XVII Seminário Interinstitucional de Ensino, Pesquisa e Extensão; XV Mostra de Iniciação Científica e X Mostra de Extensão “Ciência, Reflexividade e (In)Certezas”

a Universidade de Cruz Alta – UNICRUZ, estará realizando o seu  XVII Seminário Interinstitucional de Ensino, Pesquisa e Extensão; XV Mostra de Iniciação Científica e X Mostra de Extensão “Ciência, Reflexividade e (In)Certezas”, nos dias 6, 7, 8 de novembro de 2012. O evento é aberto aos alunos da Graduação, Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão.
As inscrições podem ser feitas no site www.unicruz.edu.br/seminario onde encontram-se as normas para inscrição de trabalhos ou diretamente na Assessoria de Eventos, no campus da Unicruz.